Financiamento para reforma: 5 dicas para evitar apertos no orçamento

Finalmente, você realizou o sonho da casa própria. Ou quase, já que falta uma reforminha para deixar o imóvel 100% com a sua cara. Sabemos o quão desafiador é reformar um bem que acabamos de adquirir, até porque, muitas vezes, o orçamento já está apertado. Se você está nesse dilema, o financiamento para reforma pode ser a solução.

Porém, como todo financiamento ou empréstimo, é necessário fazer um bom planejamento financeiro para quitar as parcelas sem passar sufoco. Para isso, separamos cinco dicas de como realizar uma obra bem-sucedida sem apertos no orçamento, desde o planejamento até a contratação de mão de obra especializada.

Mas, antes, vamos entender o que é financiamento para reforma, como ele funciona e quais são as vantagens dessa modalidade. 

O que é financiamento para reforma?

O financiamento para reforma é uma modalidade de financiamento voltada exclusivamente para pessoas físicas que já possuem uma residência, mas precisam de ajuda financeira para realizar obras de reparo ou mesmo de construção no imóvel.

A lógica do financiamento para reforma é a mesma do financiamento de imóvel: através de bancos (públicos ou privados), você adquire um produto ou serviço e paga por ele em parcelas, acrescidas de juros e outras taxas. 

O financiamento para reforma, no entanto, é uma modalidade que se restringe à compra do material de construção e de decoração. Reformas que incluem projetos arquitetônicos ou outros planejamentos mais amplos são melhor contempladas com o empréstimo com garantia de imóvel, o home equity. Falaremos melhor sobre essa outra modalidade mais adiante.

Como funciona o financiamento para reforma?

As linhas de financiamento para reforma disponíveis liberam crédito ao comprador a boas taxas – que vão de 0,85% a 3,8% por mês – mas com prazos de pagamento mais curtos. Em geral, você terá de um ou dois anos para quitar as parcelas do financiamento, o que dificulta a quitação de um valor muito alto.

Em alguns casos, no entanto, os prazos são maiores. A Caixa Econômica Federal possui o Cartão Construcard, que permite o pagamento em 240 meses. 

Como o nome sugere, o Construcard é uma modalidade de financiamento para reforma operada por meio de um cartão. Após passar por uma análise de crédito e documentação, o comprador recebe o cartão para utilizá-lo em até seis meses nas lojas credenciadas. Depois desse período, a pessoa começa a pagar pela compra em parcelas, com juros que partem de 2,5% por mês. 

Outros bancos que oferecem esse tipo de financiamento são: Bradesco, Banco do Brasil e Itaú. No Bradesco, os juros partem de 0,85% por mês e a compra pode ser paga em até 300 meses. Contudo, o banco financia até 70% do valor da obra.

Já no Banco do Brasil, a taxa é de 3,8% por mês, com pagamento em até 54 meses. O valor máximo do financiamento é de R$ 50 mil. Por fim, no Itaú você terá até 90 dias para o pagamento da primeira parcela, com prazo de pagamento da dívida em até 48 meses.

Reforma Garantida

Se você está sem crédito para começar a obra, vale a pena conhecer o serviço de Reforma Garantida da CrediHome. Trata-se de um financiamento para realizar a reforma dos seus sonhos, com taxa de juros reduzida. O imóvel entra como garantia e o cliente poderá quitar o financiamento antecipadamente. Veja as principais características do serviço:

  • financiamentos a partir de R$ 40 mil;
  • valor do imóvel em garantia a partir de R$ 200 mil;
  • prazo de até 15 anos para quitação;
  • amortização pela Tabela Price;
  • reforma estrutural com taxa de 1,17% ao mês;
  • apresentação de TRR ou ART;
  •  reforma de decoração com taxa de 1,28% ao mês;
  • apresentação da declaração do profissional responsável.

Vale a pena pedir o financiamento para reforma?

Investir em um financiamento para reforma tem muitas vantagens, especialmente por conta das taxas baixas. Dessa forma, vale muito a pena investir nessa modalidade se você precisa comprar majoritariamente materiais de construção para a sua reforma. 

Porém, se a sua reforma depender de outros investimentos, a melhor estratégia para quem quer reformar o imóvel é o empréstimo com garantia de imóvel, o home equity.

Home equity

Home equity é o termo em inglês para empréstimo com garantia de imóvel, uma das possibilidades de empréstimo com garantia. Nessa modalidade, o comprador apresenta um imóvel quitado e em seu nome à instituição financeira para assegurar o pagamento das parcelas do empréstimo.

Com o home equity, é possível conseguir dinheiro com taxas de juros muito mais baixas que outras modalidades de crédito. Além disso, como o comprador oferece uma garantia de pagamento, as chances de inadimplência diminuem bastante. 

Um dos principais benefícios é a possibilidade de usar o empréstimo para qualquer finalidade. Com isso, você terá a liberdade de usar o recurso para realizar a reforma que desejar no seu imóvel. Essa modalidade também pode ser contratada por pessoa física ou jurídica, desde que tenha um imóvel quitado no nome ou razão social.

Aqui, você tem as melhores condições para um home equity de sucesso. Faça aqui uma simulação de crédito com garantia imobiliária.

Agora que você já sabe como funciona o financiamento para reforma e o home equity, confira as 5 dicas que separamos de como fazer uma reforma de sucesso sem passar apertos

1- Planejamento

Qualquer que seja a dimensão da obra, fazer um bom planejamento financeiro é essencial para garantir que tudo saia nos conformes. Sem dúvida, pedir um financiamento para reforma ou até mesmo um empréstimo é uma ótima solução, pois as condições são facilitadas e não pesarão tanto no bolso. Mas não basta pegar o crédito e começar o serviço sem o menor critério.

É preciso pensar muito bem em todos os reparos que serão feitos, delimitando o projeto arquitetônico e especificando cada tarefa. O foco é o acabamento? Ou será necessário mexer em aspectos estruturais do imóvel, como projeto elétrico e hidráulico? Definir essas questões e orçar os custos do trabalho é o primeiro passo

2- Orçamento

Planejamento e orçamento são duas coisas que andam lado a lado quando se trata de uma reforma. Até porque, antes de pensar no projeto arquitetônico, é necessário saber ao certo quanto você pode gastar. 

Nesse sentido, esteja muito atento ao tipo de financiamento para reforma ou empréstimo e às condições do contrato para ter certeza de que não ficará com o saldo no vermelho depois.

Além disso, defina um cronograma detalhado da obra, especificando as etapas da obra e estabelecendo os serviços por ordem de prioridade, conforme as necessidades do imóvel. 

Assim, no caso de algum imprevisto, é possível agilizar as mudanças prioritárias e adiar certos detalhes do projeto. Isso ajudará, também, a economizar e a tirar o máximo proveito na hora de comprar os materiais e contratar a mão de obra, visto que cada etapa demandará tarefas específicas.

3- Negociação

A negociação também está diretamente relacionada aos aspectos anteriores. Não é só porque você tem o financiamento para reforma que gastará sem antes negociar muito bem os preços. Principalmente em grandes reparos, dá para poupar um bom dinheiro conseguindo descontos na compra de materiais ou em promoções, dependendo da loja.

Por isso, nunca compre toda a lista de materiais na primeira loja da esquina. Fazer uma pesquisa de preços é fundamental para aproveitar as melhores condições. Pode haver estabelecimentos com promoções de final de estoque dos quais você nem se dava conta. Também é comum que as lojas ofereçam descontos significativos para quem pagar à vista ou para uma compra de grande quantidade de material de uma só vez.

4- Fornecedores

No tópico anterior, vimos a importância de não fechar negócio logo na primeira loja da esquina, sem fazer vários orçamentos antes. Porém, você deve estar se perguntando como, então, encontrar os melhores fornecedores focando apenas o preço e o custo-benefício dos materiais, certo?

Se a reforma for supervisionada por um arquiteto ou um designer de interiores, será muito mais fácil saber em quais fornecedores você pode confiar. Afinal, esses profissionais estão acostumados com a dinâmica do mercado e já conhecem o que cada loja pode oferecer de melhor conforme a obra que será realizada.

No entanto, se você estiver tocando a reforma sozinho, será necessário pesquisar muito bem a reputação dos fornecedores para ter certeza de que os produtos oferecidos são de primeira qualidade e têm garantia de origem. Também é importante pedir indicações de pessoas próximas que estejam construindo ou reformando, pois, com certeza, elas estão por dentro dos melhores negócios.

5- Mão de obra

A contratação da mão de obra é o maior desafio de quem está se planejando para reformar um imóvel. Realmente não é fácil encontrar bons profissionais disponíveis e com preços acessíveis. 

Portanto, assim como na dica de escolha dos fornecedores, peça recomendações detalhadas sobre os pedreiros e demais profissionais que você pretende contratar.

Agora que você já sabe como funciona o financiamento para reforma de imóvel, assim como formas de economizar nesse processo, já pode seguir a sua obra com a certeza de que terá bons resultados – tanto no imóvel, quanto no bolso. 

Se esse texto te ajudou, não deixe de conferir outros conteúdos que temos postado por aqui:

Saiba como usar o home equity para obter crédito financeiro

https://credihome.com.br/financiamento-imobiliario

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

Share via
Copy link
Powered by Social Snap