Portabilidade de financiamento imobiliário: o que é e como funciona

O financiamento imobiliário é uma das modalidades de crédito mais procuradas no Brasil. Afinal, ela ajuda o comprador na aquisição do imóvel e acaba se tornando muito atraente para aqueles que não conseguem pagar à vista o valor total do imóvel.

Neste caso, o comprador recebe do banco um crédito como empréstimo. Em contrapartida, o cliente consegue pagar o valor do imóvel de modo parcelado até quitar a dívida. Porém, dependendo do banco em que a contratação foi feita, a taxa de juros pode ser muito alta.

A boa notícia é que dá para contar com uma forma de reduzir o valor das suas parcelas, reduzindo as taxas. Neste post, vamos explicar como a portabilidade de financiamento imobiliário funciona e quais são as suas regras. Fique conosco e entenda!

O que é portabilidade de financiamento imobiliário?

Fazer a portabilidade de financiamento imobiliário consiste em transferir a dívida de um banco para o outro. A alternativa é útil quando as taxas de juros e as condições de pagamento de um se mostram mais vantajosas que as do outro. Como o financiamento já está em andamento, a solução é transferir o débito.

Para isso, o consumidor deve procurar o novo banco e solicitar o pagamento da dívida junto ao banco atual. Com isso, a instituição da sua escolha parcela o valor quitado e define as prestações mensais que o cliente deverá pagar. Inclusive, o processo é fiscalizado pelo Banco Central.

Como escolher as melhores condições de portabilidade de financiamento imobiliário?

A portabilidade de financiamento imobiliário é a opção ideal para quem deseja economizar e gastar menos ao adquirir um imóvel. Entretanto, é preciso saber se a troca vale a pena, observando o que a instituição financeira oferece. Veja o que você deve fazer!

Conheça os detalhes do seu empréstimo

Conhecer seu próprio financiamento é primordial para avaliar se compensa ou não fazer a portabilidade. Assim, você vai saber qual é a taxa de juros do seu atual financiamento e em quais condições o empréstimo está sendo pago.

Procure seu banco atual para ver quanto falta pagar e quantas parcelas ainda estão em aberto. Além disso, observe o Custo Efetivo Total (CET), que é taxa de juros real do empréstimo.

Não adianta analisar as propostas de outras instituições financeiras sem essas informações, pois somente assim você vai conseguir mensurar quanto está pagando no financiamento a fim de fazer a comparação corretamente.

Não considere apenas a taxa oferecida

É fato que a taxa de juros é muito importante. Contudo, não deve ser o único fator a ser considerado. É necessário conhecer os critérios para a simulação de crédito, observando valores e operações.

Também, é preciso conhecer os pré-requisitos para a contratação, comparando os valores do imóvel e das parcelas, assim como a aplicação dos seguros MIP (Morte e Invalidez Permanente) e DFI (Danos Físicos ao Imóvel). Fique atento!

Avalie o que é mais vantajoso para o seu perfil

Nem sempre a portabilidade de financiamento imobiliário é vantajosa. Por isso, você precisa analisar as condições apresentadas e verificar se elas estão de acordo com o seu perfil.

Essas averiguações são importantes porque as instituições financeiras podem reduzir o valor das parcelas, o prazo para pagamento ou o valor a ser pago. Inclusive, alguns bancos oferecem as três opções ao mesmo tempo. Todavia, essa não é a regra e você deve estar alerta.

Faça comparações entre as ofertas

Após fazer o levantamento, é o momento de comparar as ofertas apresentadas pelos bancos e descobrir quais são as mais vantajosas. Leve aos bancos as informações sobre o CET, a quantidade de parcelas e os valores para que eles façam suas propostas.

Dessa forma, você poderá colocar os números na ponta do lápis para saber qual vai ser a economia mensal. Quanto menor o número e o valor das parcelas, maior a vantagem.

Simule a economia com a taxa menor

Simular o crédito é essencial, principalmente para enxergar o valor da economia. Com esse objetivo, vários bancos disponibilizam uma ferramenta de simulação para que você encontre as menores taxas. Use os dados reais do seu financiamento atual e veja qual instituição financeira oferece o menor CET.

Como conseguir a portabilidade de financiamento imobiliário de modo facilitado?

Hoje em dia, é possível contar com empresas facilitadoras para fazer a portabilidade de crédito. Uma delas é a CrediHome, uma plataforma digital especializada em crédito imobiliário que ajuda o cliente durante todo o processo.

Ela trabalha buscando as melhores condições e fazendo a negociação com os bancos envolvidos para melhorar a parcela do financiamento dos clientes.

Quais são as regras da portabilidade do financiamento imobiliário?

Valores

Não há valor mínimo para a portabilidade de financiamento. A portabilidade vale a pena quando o Custo Efetivo Total do banco B é menor que o do banco A. A transação é permitida para qualquer valor da dívida parcelada.

Transferência entre bancos

O processo de portabilidade deve ser feito de banco para banco, sem a necessidade de interferência do cliente. Desse modo, as informações sobre o valor ainda em parcelamento e as demais características do financiamento imobiliário devem ser repassadas pelo banco A ao B assim que houver solicitação do financiado.

Prazo para informações

Após solicitado pelo consumidor, o banco atual tem até cinco dias para disponibilizar todas as informações do financiamento ao novo banco escolhido. Ainda assim, ele terá até sete dias para apresentar uma contraproposta ao financiado.

Característica necessária do imóvel financiado

É possível efetuar a portabilidade apenas das dívidas de imóveis já construídos. Propriedades ainda na planta ou em obras não contam com a possibilidade.

Documentação necessária

Ao receber as informações do acordo no novo banco, o consumidor deverá verificar no documento:

  • seu CPF e telefone;
  • número do contrato da operação de crédito no banco A;
  • proposta da nova instituição, contendo taxa de juros anual, Custo Efetivo Total, prazo, sistema de pagamento e valor das prestações;
  • índice de correção das prestações;
  • endereço completo do banco de destino.

Com os dados em mãos, o cliente poderá ou não aceitar a oferta de portabilidade.

Prazo para pagamento

Mesmo trocando de financeira, o consumidor não pode solicitar novo prazo para pagamento de sua dívida. Se no banco A restavam 36 meses para a quitação da dívida, no banco B o tempo será o mesmo.

Quais são os custos envolvidos na portabilidade do financiamento imobiliário?

Desde 2006, a portabilidade entre bancos é isenta da cobrança de qualquer taxa. Assim, se solicitar qualquer valor para o processo, o banco estará agindo contra a lei, e você poderá denunciá-lo ao Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (PROCON).

Os custos envolvidos serão os de operacionalização do novo banco, que geralmente são as despesas com a avaliação do imóvel e o custo que o banco tem para gerar o contrato. Esse valor fica em torno de R$3.500, dependendo da instituição financeira.

Outro custo que o cliente tem são os cartorários, que podem chegar a até 1% do valor do imóvel. Mas dependendo da taxa de juros obtida, esse custo pode valer a pena quando se leva em conta a economia proporcionada pelos novos juros.

Quando fazer a transferência?

A portabilidade de financiamento imobiliário só vale a pena quando o Custo Efetivo Total (CET) do novo banco é menor do que o anterior. Isso significa que não basta apenas que as novas taxas de juros sejam menores. Todo o valor da nova dívida deve ser benéfico para o consumidor.

O CET corresponde ao valor dos juros e de todas as outras taxas cobradas pelo financiamento, incluindo, por exemplo, a taxa referencial, que é variável.

Além disso, deve-se averiguar a taxa de administração, que é o valor cobrado pela instituição financeira para a concessão do crédito e o movimento da portabilidade. Essa taxa varia dependendo do banco, da idade do contratante e do prazo do financiamento, e impacta o valor das parcelas.

Caso haja atraso no pagamento das parcelas ou o nome do consumidor esteja “sujo”, a portabilidade não é possível. Afinal, para aprovar o financiamento, o banco verifica se existe inscrição na Centralização de Serviços dos Bancos e no Serviço de Proteção ao Crédito antes de aprovar a transferência.

A portabilidade de financiamento imobiliário pode ser bem vantajosa para quem deseja economizar na compra de uma propriedade. No entanto, você precisa analisar as condições que os bancos oferecem para saber se a troca compensa e se haverá real economia. Por essa razão, é necessário simular para contratar o banco com as menores taxas de CET.

Ficou com alguma dúvida sobre como funciona a Portabilidade? Deixe nos comentários suas perguntas, sugestões, críticas e elogios. Sua participação é sempre muito importante para nosso blog!

15 comentários sobre “Portabilidade de financiamento imobiliário: o que é e como funciona

  1. Olá, Wesley. Tudo bem? Você pode nos encaminhar o seu número de telefone para que a gente encaminhe ao setor o comercial, por favor?

  2. Olá, Henrique. Tudo bem? Envia um e-mail com a gente contendo essas informações, por favor? Vamos encaminhar para o setor comercial!

  3. Gostaria de saber mais sobre os serviços quanto a portabilidade. Acho pouco provável que compense para mim fazer a portabilidade efetivamente. Mas talvez uma negociação com o banco seja viável.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

Share via
Copy link
Powered by Social Snap